Empresário revela uma maneira simples e prática de se preparar para a LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados entrará em vigor no 1o. semestre de 2020, trazendo novas obrigações (e penalidades) para as empresas, como estar preparado para esse novo desafio?

Planejamento de longo prazo não lida com decisões futuras, mas com um futuro de decisões presentes. Peter Drucker.

São Paulo, SP, 23/01/2020 –

Há muitos artigos disponíveis na internet sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), sobre sua abrangência, obrigações e impacto na vida das empresas.

Todas as empresas brasileiras, independentemente do tamanho serão afetadas e terão que implementar novos controles sobre as informações que possuem sobre os clientes (ou leads) em virtude dela.

Seria leviano querer tratar, de uma maneira completa esse vasto assunto, entretanto é preciso ser prático (e começar) a implementar os controles necessários o quanto antes, afinal o prazo já está ai (primeiro semestre de 2020).

Começar pelo começo (parece óbvio, né?)

Sim, isso mesmo, e vale apena pensar, por onde os dados nascem nas empresa? Na maioria das empresas as informações entram pela área comercial, no momento da prospecção de novos clientes (formulário do site, redes sociais, chat, e-mail, telefone, WhastApp, etc.).

Esses dados se transformam em informação de negócio, como um novo cadastro, uma proposta (ou pedido), dados financeiros (cartão, boleto) também serão inseridos nesse momento.

A partir deste contato inicial, essa informação começará a circular pelas diversas áreas e diferentes pessoas dentro da empresa.

Com isso em mente, e pensando em automação, é natural imaginar que as primeiras e talvez as mais importantes ações para se iniciar o controle para atender a LGPD, seja incluir as trativas no software de CRM da empresa (pois é ele o responsável pelo processo comercial descrito acima).

Esta é a opinião do sócio e fundador da e-CRM WEB, Sr. Ranieri Slemer, ele é conhecedor do mercado de software de CRM, um entusiasta e estudioso quando o assunto é usar a gestão para transformar às relações comercias, com foco no segmento Small Business (PME).

“Ao integrar os processos da LGPD ao sistema de CRM, há organização (pois se determina quem pode acessar) cada informação, e menos pessoas com acesso, indica menor risco de vazamentos. Ao armazenar os documentos, e-mails, mensagens e até mesmo o áudio das ligações, junto ao cadastro aumenta o controle, atendendo não só LGPD, como também o empresário, poderá usar essas informações a seu favor”.

Outro ponto destacado, é que um moderno sistema de CRM, gera os próprios documentos internamente (sem necessidade do Word, ou de outra aplicação), e armazena todas as interações (dos diversos canais de comunicação) junto ao cadastro do cliente em um único local”, explica o CEO.

O que é possivel fazer, é não encarar a lei como mais custos (e controles), mais sim usá-la em nosso favor e aproveitar esse momento, para organizar a nossa casa, pois dados se transformam em informações e informações geram dinheiro, pontua.

Um detalhe a ressaltar, é que em alguns casos, o contrato precisará ser desmembrado para permitir o cliente discordar de apenas alguns pontos. Por exemplo, algumas empresas incluem o direito de uso de imagem como uma cláusula no contrato principal, e isso precisará ser revisto (pois o cliente poderá recusar somente esse item), esclarece.

Finaliza explicando a estratégia da solução, que prevê não só atender a lei, como também permitir ao empresário fazer dinheiro, com as informações agora controladas e gerenciadas.

Uma boa notícia em tempos de orçamentos magros.

Website: https://www.ecrmweb.com.br/lgpd-compliance

Um Comentário

  1. Olá, muito bom! Gratidão pelo conteúdo fenomenal. Quero já aproveitar e te convidar a dar uma olhadinha em meu Blog também, pois compartilho dicas tops quais acredito que possa te ajudar de fato! Conferi lá, Blz? 😉

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios